quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Um novo ano está nascendo!

Mais um ano está chegando ao fim. Em apenas um dia, um novo ano começará, e com ele todas as dúvidas, pedidos, súplicas e orações de nossa parte. Só que, o que vai acontecer no decorrer do mesmo, continua sendo uma incógnita para todos nós. Agradeço a Deus por todas as bênçãos e glorifico ao Senhor pela saúde que eu e os meus familiares tivemos no decorrer do que está terminando. 

Rogo a Deus que esteja conosco em mais um ano. Que nos conceda saúde, paz, harmonia, prosperidade material, espiritual e emocional para que saibamos discernir sempre o que vem do alto. Que possamos deixar de lado os materialismos exacerbados, maledicências, invejas, arrogância, soberba, ódios e que a simplificação, a simplicidade, a humildade e o amor prevaleçam em nossas vidas.

Por fim, quero pedir que tenhamos mais confiança no Senhor. Que pratiquemos o bem; para que possamos habitar em paz na terra. Que entreguemos os nossos caminhos ao Senhor com confiança, e o mais Ele fará. Vamos transferir para Ele, no decorrer do ano todas as nossas preocupações, anseios, frustrações e todo tipo de carga emocional, física ou psicológica e Ele suprirá todas as nossas necessidades. Que descansemos no Senhor, enquanto aguardamos por Ele e por tudo o que pedirmos, com paciência, sem irritações, e Ele satisfará todos os desejos de nossos corações. Por fim, esperar sempre no Senhor, confiantes em sua soberana vontade, pois assim seremos exaltados, e teremos abundância de paz. Simples assim! CONFIAR, DESCANSAR e ESPERAR no Senhor, eis o segredo para que tudo corra bem em 2016. Baseado no Salmo 37 de Davi.
Feliz Ano Novo a todos!!!!!

domingo, 27 de dezembro de 2015

Pastores de ovelhas ou administradores de empresas?

Pastor de ovelhas é aquele que cuida das ovelhas. É a pessoa que guarda, guia e vigia esses animais dóceis. Parece muito simples não é mesmo? Só que não é. Um bom pastor, deve também retirar os espinhos e os carrapichos que grudam nos pelos dos animais. É também o pastor que deve colocar remédio nos ferimentos das ovelhas, que ajuda a fêmea a trazer seus filhotes ao mundo, as alimenta, mata a sua sede. Guia-as, evitando que elas caiam nos buracos do caminho. Cuida delas para que não se percam do rebanho e os lobos as comam. Se elas tropeçarem, ajuda-as a se levantarem e a que sigam em frente. Enfim, é o pastor quem guarda esses animais por onde quer que passem e de todos os transtornos possíveis.


            Assim como Deus é o nosso Pastor e nos guia a "verdes pastos" e a "águas tranquilas", também deverá o pastor das igrejas fazer com "suas ovelhas". Só que nos dias atuais, eles não querem mais tirar os espinhos nem os carrapichos de suas “ovelhas”. Não matam a sede nem a fome delas e não as livram dos lobos famintos. Não colocam remédio em seus ferimentos, sejam eles físicos, espirituais ou emocionais. Muitas vezes as ovelhas ficam sozinhas, se desesperam, se angustiam e não recebem nenhum auxílio de seus pastores. Os espinhos as estão ferindo há algum tempo, o ferimento inflama e infecciona, e ninguém vê ou faz alguma coisa. Algumas ovelhas, principalmente as novas convertidas que estão na igreja ainda por causa do homem e não por causa de Deus, nessas horas até abandonam a fé. 
Muitos pastores da atualidade são apenas administradores de empresa, quase sempre não aptos para medicar suas ovelhas com a Verdade, e se elas por acaso andarem pelo vale da sombra da morte não saberão estar presentes nesse momento difícil porém,  precisam das “gorduras” das ovelhas, ou seja, suas contribuições financeiras para a manutenção da obra: “O mercenário foge, porque é um mercenário e não tem zelo pelas ovelhas”. Jo 10-13. Que bom se já pudéssemos viver somente guiados pelo verdadeiro Pastor! O Bom Pastor, Jesus de Nazaré! Jesus em Seu Evangelho diz: “Eu Sou o Bom Pastor. Conheço as minhas ovelhas e sou conhecido por elas”. Ele conhece cada uma pelo nome e as guia para o bem. Elas O seguem, porque reconhecem a Sua voz. Jo 10.3-4.
Qual será o “administrador de empresas” que sabe o nome de todas as ovelhas que possui? É provável que se lembre só daquelas que tem menos espinhos para retirar e que contribuem com uma gorda quantia para a manutenção do templo que ele administra. 
O Pastor precisa estar preparado para guiar suas ovelhas para a paz dos verdes prados, para as águas tranquilas, assim como a andar pelo vale sombrio da morte, pois tanto uma situação quanto a outra fazem parte dos caminhos do Senhor e tudo o que acontece em nossas vidas está em Suas mãos. Tanto podemos estar bem, como muito atribulados e precisamos de alguém que nos ajude a que não venhamos a temer mal algum e a que voltemos aos caminhos da justiça. 
Glória a Deus que nem tudo está perdido! Ainda encontramos legítimos pastores que cuidam bem de suas ovelhas. São raros, mas existem.
Que o Senhor, o bom Pastor, nos ajude a que tenhamos sempre um cajado e uma vara a nos proteger e que a felicidade e a misericórdia nos acompanhem por todos os dias de nossas vidas. Sl 23-6.
Honra e glória somente a ti, Senhor!



terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Arrogância.

E, por falar em arrogância, essa é uma atitude totalmente condenada por Deus O Pai, e por Jesus. Traduzindo: arrogância quer dizer altivez que deixa ver o pouco caso que se faz do adversário, é a manifestação do orgulho das pessoas que se elevam acima da sua condição. O arrogante atribui a si mesmo poderes e privilégios, acha que é superior, moral, social, e intelectualmente falando. É prepotente e despreza aquele que considera inferior. Na verdade, o arrogante é um insolente e orgulhoso. Duas coisas que o Senhor Deus condena o tempo inteiro em Sua Palavra. 

No Antigo Testamento Daniel revelou um sonho ao rei Nabucodonosor. O rei não acreditou em Daniel que lhe advertiu: “Tu serás expulso do convívio com os seres humanos e viverás com os animais silvestres; comerás capim como os bois e serás molhado pelo orvalho do céu. Passarão sete períodos de tempo até que admitas que o Altíssimo domina sobre os reinos de todos os homens e os dá a quem quer, e quando deseja”. Dn 4-25.
E advertiu: “Reconhece os teus pecados, abandona a maldade e passa a praticar a justiça e a exercer compaixão pelos carentes e necessitados. Talvez, assim, de fato, continues a viver em paz e tranquilidade”. Dn 4-27.

A profecia se cumpriu em doze meses. Nabucodonosor orgulhosamente, arrogantemente começou a se engrandecer: “Acaso não é esta a grande Babilônia que eu mesmo edifiquei para ser minha residência e capital do meu reino, mediante a força do meu magnífico poder, e para a glória da minha majestade?” Dn4-30.  A sentença do rei veio diretamente do céu: “ó rei Nabucodonosor: Toda a tua autoridade real te foi tirada!” Dn 4-31. “E, naquela mesma hora a palavra se cumpriu: ele foi expulso do meio dos seus e de todos os homens, e começou a comer grama na companhia de bois. O seu corpo passou a ser molhado pelo orvalho do céu, até que seus cabelos e pelos crescessem como as penas da águia e as suas unhas como as garras das aves.” Dn 4-33. Ele só voltou ao normal quando admitiu que só a soberania do Senhor é eterna e o seu reino permanecia inabalável de geração em geração! Dn 4-34. Depois de lermos esse trecho do texto bíblico, vemos que ser arrogante não nos leva a lugar algum enquanto aqui estivermos, mas pode nos levar diretamente para o inferno. 
Jesus também condena a arrogância: “Pois é de dentro do coração dos homens que procedem os maus pensamentos, , as imoralidades sexuais, os furtos, os homicídios, os adultérios, as ambições desmedidas, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a difamação, a arrogância e a insensatez.” Mc 7.21-22.
Do coração poluído do homem juntamente com a sua falta de misericórdia, é que surge todas essas indignidades. Hoje não vemos acontecer mais o castigo a que foi submetido o rei Nabucodonosor, porém o Senhor Jesus nos diz que todos esses males que procedem do interior, contaminam a pessoa humana e a tornam impura. Mc 7-23.
Que o Senhor nos ajude a que não venhamos a nos tornar pessoas impuras. Que o nosso coração possa estar livre da arrogância e de tantos outros defeitos que nos tornarão indignos de Seu amor e de Sua misericórdia, pois só o Senhor é Deus. “A soberba precede a ruína, o espírito arrogante vem antes da queda”. Pv 16-18. Jesus era manso e humilde de coração e nos exorta a aprendermos com Ele, pois dessa forma encontraríamos descanso para nossas almas.  Mt 11-29.
Honra e glória somente a ti, Senhor!


sábado, 12 de dezembro de 2015

Sandálias sujas em solo sagrado.

No tempo do Antigo Testamento, Moisés e Josué foram admoestados a retirarem os calçados dos pés para se aproximar do Deus Todo poderoso. No caso de Josué, Deus enviou um comandante do Seu Exército para lhe falar, e no caso de Moisés o próprio Deus apareceu a ele em meio a uma folhagem, um espinheiro que queimava e não se consumia. Disse O Senhor: “Não te chegues para cá; tira os sapatos (sandálias) de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa”. Ex 3-5. A sarça que queimava, representava um extraordinário sinal, principalmente porque o arbusto não era consumido pelo fogo. Ela simbolizava a presença de Deus, conforme está escrito na carta aos hebreus: “Porque o nosso Deus é fogo consumidor!” Hb 12-29.
Hoje, no tempo da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, vemos cristãos repreendendo pessoas que ainda não conhecem a Cristo, ou até mesmo aquelas que já O conheceram e que andaram com Cristo, mas que por algum motivo estão afastadas do Senhor, a não pisarem os pés em suas casas, alegando que ela é território santo. Realmente deveria ser solo sagrado, uma vez que aceitaram Jesus e começaram a segui-Lo. Usam essa mesma Palavra como exemplo para mostrarem que suas casas são a morada de Deus. Muitas vezes não é isso o que vemos. De território santo não tem nada. Dentro delas moram pessoas vazias, materialistas, e do mundo. O casal não se respeita, os filhos não respeitam os pais, nesse lar há contendas, divisões entre os próprios familiares. Irmãos que não falam com irmãos, os pais discutem e falam mal da vida alheia abertamente, proclamam julgamentos sem nenhuma piedade ou conhecimento de causa, aceitam filhos e filhas vivendo sem a bênção do casamento dentro de casa. Enfim, uma desordem!
Aí perguntamos: Por que acham que a sua casa é território santo, humilhando quem não conhece a Jesus, ou possua algum pecado? Quem somos nós para apontar o dedo para julgar quem quer que seja? Jesus nos incentiva a vestir, alimentar e matar a sede de nosso irmão. Orienta-nos a colocá-los no caminho de retidão e a sermos generosos, mas não diz que devemos escolhê-las e separá-las. Para isso elas precisam ver Jesus em nós, e não receber críticas ou rebaixamentos que as inferiorizem.
Mesmo que o nosso solo fosse realmente sagrado, livre de qualquer pecado, o que para nós pecadores é impossível, deveríamos tratar o nosso irmão com carinho e amor. É isso o que Jesus deseja que façamos. Muitas vezes as sandálias de nosso irmão estão muito mais limpas do que o “solo sagrado” de quem se gaba de tal coisa. 
O lugar onde o Senhor apareceu a Moisés se tornou um lugar sagrado, separado e diferenciado por causa da presença divina. Assim deveriam ser nossas casas após o nosso novo nascimento. Lugar separado e totalmente diferenciado dos outros, onde todos pudessem ser acolhidos com amor.
Portanto, quando qualquer irmão bater à sua porta, mande-o entrar, ofereça água para beber, lavar as mãos, se refrescar. Ofereça um alimento e diga: Você é bem-vindo em minha casa, onde o Senhor habita. Junte-se a nós nessa caminhada, creia em Jesus e em sua vida fluirão rios de água viva. Jo 7-38. É disso que nossos irmãos precisam ver Jesus em nós.
Honra e glória somente a ti, Senhor!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

O que fazer quando as tribulações nos angustiam.

Na segunda carta do Apóstolo Paulo ao povo de Corinto, ele explica a causa dele não desanimar frente às provações a que estava acostumado quando levava as Boas Novas aos que ainda não conheciam a Jesus e tentava aperfeiçoar a fé dos que já haviam ouvir falar de Jesus. Ele diz: “Em tudo somos atribulados, mas não angustiados”. II Co 4-8
Angústia é um estado de ânsia e aflição intensas. Um sofrimento veemente que pode levar qualquer pessoa a depressão, síndrome do pânico, doenças cardíacas, estomacais, cerebrais, e emocionais muito graves. Essa ânsia aflitiva parece nos deixar esmagados, liquidados. É como se estivéssemos em um lugar apertado, enclausurados, totalmente paralisados. 
O que devemos fazer quando nos encontramos dessa forma? Paralisados, enclausurados, totalmente tomados por aflições intensas? Buscar o Senhor é a resposta. Mesmo que a nossa fé esteja abalada por qualquer tribulação, não devemos de maneira alguma abandonar as nossas orações e os nossos devocionais diários. Nessas horas a busca pelo Senhor e o direcionamento de Seu Santo Espírito deve ser uma constante em nossa rotina.
Só o Senhor pode nos tirar dos lugares apertados e da clausura. O salmista e rei Davi nos explica bem isso. “Ouve-me quando eu clamo, ó Deus da minha justiça; na angústia me deste largueza; tem misericórdia de mim e ouve a minha oração”. Sl 4-1. Ele sabe bem do que fala, pois passou por muitos momentos de total estreiteza. Buscou ao Senhor e o Senhor alargou os seus caminhos, colocando-o em segurança. É assim que devemos agir em nossos momentos de tribulação. Buscar sem cessar a presença curadora de Deus. Invocar Jesus Cristo o nosso Salvador em todo tempo e lugar e nos colocarmos na fenda da rocha em constante oração.
            Poderemos notar que logo estaremos bem. Que o nosso coração estará mais acalentado e o nosso espírito voltará a confiar nas providências divinas. Nossa saúde melhorará e teremos mais alegria em nossas vidas. O resultado de tudo isso é paz. A que excede todo entendimento, e que só nos é dada por Jesus de Nazaré! Portanto, não fiquemos atormentados e muito menos angustiados. Quando as tribulações baterem à nossa porta, busquemos em oração àquele que pode nos ajudar: Jesus Cristo!
Honra e glória somente a ti, Senhor!
            


sábado, 5 de dezembro de 2015

Por que vigiar e orar mais em dezembro?

Um dia desses, ouvindo músicas natalinas, fui transportada ao tempo em que quando era criança eu aguardava com ansiedade que dezembro chegasse. Era muito emocionante esperar por presentes, a montagem da árvore de natal, as comidas deliciosas que iriam compor a mesa. Enfim, era tudo alegria em meu coração de criança. Para mim, ninguém adoecia nem morria nesses dias. Mas, eu sabia o que realmente seria comemorado: o nascimento de Jesus, e isso me alegrava. Sempre amei o mês de dezembro.
Hoje, já adulta, e bem adulta, diga-se de passagem, comecei a observar o outro lado do mês de dezembro. Percebi que é um mês em que devemos praticar o que Jesus diz em Sua Palavra: “Vigiai e orai, para não cairdes em tentação. O espírito, com certeza, está preparado, mas a carne é fraca”. Mt 26-41.

            Jesus estava se referindo a batalha que enfrentaria. Dirigiu-se ao Getsêmani para orar e pediu que os discípulos orassem com Ele. Os discípulos dormiram e não vigiaram com o Mestre nem por uma hora. Nossa batalha não tem nada a ver com a que Jesus enfrentou. Nada nesse mundo pode se assemelhar ao que Ele padeceu. Mas, esse alerta serve para nós, nesses dias de festas de natal e ano novo.
Por deixarmos que nossa fraca carne se sobreponha ao espírito, nessa época, gastamos mais do que temos e ficamos endividados, bebemos muito mais do que nosso fígado pode suportar, nos estressamos ao ponto máximo, para atender a todos os detalhes das festas que virão. Na verdade, não é essa a comemoração que Cristo esperava de nós. O nascimento d’Ele foi algo magnífico, porém de uma simplicidade gigantesca. A primeira cama em que Cristo dormiu foi uma manjedoura, uma espécie de tabuleiro onde se colocavam a comida dos animais, dentro de uma estrebaria, local onde se guardavam animais e seus pertences. Não existe simplicidade maior.
Devemos vigiar e orar sempre, porém é nessa mesma época em que estamos alegres e felizes que abrimos nossa guarda ao inimigo de nossas almas. O que anda ao redor de nós, procurando nos aniquilar. Ele deseja destruir a alegria de nosso coração, a nossa felicidade. É também nessa mesma época que as pessoas mais ingerem bebidas alcoólicas e cometem os atos mais bárbaros, tudo em nome das festividades e dos recessos a que fazem jus. Esquecemos-nos de verdadeiramente comemorarmos o nascimento de Cristo Jesus, aquele que não tinha onde recostar sua cabeça: “E disse Jesus: As raposas têm suas tocas, e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça”. Mt 8-20.
            Que possamos verdadeiramente, comemorar o nascimento de nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo, com alegria, amor e simplicidade o que com certeza O alegrará, porém nunca nos esquecendo de suas recomendações: Vigiar e orar, fortalecendo o espírito em detrimento da carne, através da oração.
Honra e glória somente a ti, Senhor!

Cuidado com as heresias!

Tanto hoje quanto nos tempos dos apóstolos de Jesus, já existiam as heresias. Atualmente, elas possuem um nome diferente: “doutrina cristã”. Mas que de cristã não tem nada. Não passam de absurdos. Mas o que vem a ser heresia? Ela pode ser traduzida por disparate, absurdo, contrassenso, blasfêmia.  É o que vemos nos dias atuais. Nos tempos apostólicos, Paulo enfrentou muitas delas durante o seu ministério. Porém, temos atualmente uma, que gera um total desserviço ao cristianismo e pega muitos incautos em sua armadilha. A tal história do “uma vez salvo, sempre salvo”. Essa doutrina, ou perfídia, levará muitos ao inferno se os seus seguidores não abrirem os olhos em tempo.
O que esperar de alguém que se diz seguidor de Jesus Cristo? No mínimo, que ele não peque mais, ou que peque menos. Se roubava, caluniava, produzia contenda, mentia, era orgulhoso, arrogante, se não dava esmola, se não matava a sede do sedento, se não ajudava ninguém, ou seja, se era um parasita espiritual, algo deveria ter mudado nessa criatura depois de seu encontro com Jesus Cristo. Ela deveria dar frutos e o principal deles é o amor. Mas, isso não acontece com os adeptos dessa vã doutrina. Já que estão salvos para sempre, podem muito bem continuar do jeito que sempre foram: mentirosos, avarentos, ladrões, não movendo uma “palha” para ajudar ao necessitado, continuarão sendo egoístas, arrogantes, orgulhosos, contendedores, dissimulados, invejosos, e uma infinidade de maus adjetivos. Se não é preciso fazer nada para continuar salvo, por que mudar? Por que abandonar a vida carnal e todos os prazeres que ela traz? Contudo a Bíblia está repleta de passagens que nos instrui a nos modificarmos para que possamos manter a nossa salvação.
Só adquirimos o direito a ela, entretanto precisamos mantê-la através de nossa vida modificada, verdadeiramente nascida de novo. Se isso não acontece, nosso batismo que deveria ser um verdadeiro “nascer de novo”, terá apenas sido um banho de piscina. Repetir e aceitar as palavras que o pastor da igreja nos mandou repetir, não terá passado apenas de um momento de emoção.
As obras não salvam, porém se não praticarmos boas obras, a nossa fé está morta em si mesma e não houve um verdadeiro nascimento. Tg 2.17. O apóstolo Tiago em sua carta diz que: “Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta”. Tg 2.26. Isso sem falar nas Palavras do Senhor Jesus no Evangelho de Mateus sete: “Assim sendo, toda árvore boa produz bons frutos, mas a árvore ruim dá frutos ruins. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e atirada ao fogo. Portanto, pelos seus frutos vos conhecereis. Nem todo aquele que diz a mim: ‘SENHOR, SENHOR!’ entrará no Reino dos céus, mas somente o que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos dirão a mim naquele dia: ‘SENHOR, SENHOR!’ não temos nós profetizado em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios? E, em teu nome, não realizamos muitos milagres? Então lhes declararei: Nunca os conheci. Afastai-vos da minha presença, vós que praticais o mal! Mt 7.16,19,21,22-23. 

A Palavra de Deus é bem clara, não deixa dúvidas. É necessário verdadeira regeneração para que o crente mantenha a sua salvação. É preciso arrependimento, quebrantamento, obediência, amor ao próximo. Acima de tudo verdadeiro e profundo conhecimento bíblico e discernimento do Espírito Santo, para não perder a sua tão preciosa salvação. Como diz a Palavra de Deus em Apocalipse: “O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos”. Ap 20-15. Ela é bem clara, o que vencer!
            Ainda dá tempo de nos acertarmos com Deus, e que modifiquemos o nosso comportamento para que possamos fazer jus a nossa salvação até o final. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz as igrejas. Ele é o mesmo, ontem, hoje e será eternamente.
            Honra e glória somente a ti, Senhor!



Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics